Hospital de Campanha de Nova Friburgo deve ser desmontado até o próximo dia 05

Equipamentos podem ser utilizados no Hospital Raul Sertã.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Alex Bousquet, o governo do Rio espera desmontar todos os hospitais de campanha até o próximo dia 12, caso não haja nenhum impedimento legal.

Das sete unidades prometidas e orçadas em cerca de R$ 850 milhões, somente dois foram entregues parcialmente, Maracanã e São Gonçalo, e R$ 256 milhões já foram pagos.

Atualmente, há uma decisão judicial que impede o fechamento das unidades.

O secretário disse que a Procuradoria-Geral do Estado está avaliando como contornar a situação, considerando a queda do número de casos.

O cronograma apresentado por Bousquet prevê, caso a decisão seja revertida, o fechamento das unidades de Nova Friburgo, Caxias e Nova Iguaçu até o dia 5 de agosto.

Os equipamentos, que vão pertencer ao Estado, e não à Organização Social, devem ser reaproveitados nos hospitais das redes Estadual e nos municípios.

De acordo com o secretário estadual, em Nova Friburgo existe ainda a possibilidade de abertura de outros 14 leitos no Hospital Raul Sertã, além dos dez que estão previstos.

A Comunicação do município informou também, que um representante da Secretaria de Estado de Saúde esteve na unidade para acertar os detalhes finais, nesta quarta, 29.

A direção do hospital está providenciando o espaço físico e as instalações para que os leitos possam funcionar.

Hospital de Campanha x Hospital Raul Sertã

O Repórter Friburguense entrou em contato com a Prefeitura para saber se o município foi comunicado pelo Estado sobre a possível utilização dos equipamentos.

O secretário municipal de saúde e vice-prefeito, Marcelo Braune, respondeu que, até o momento não houve nenhuma comunicação e na visão de Braune, a unidade custou caro e não deveria ser desmontada.

Além disso, Marcelo Braune destaca a real possibilidade da utilização da unidade em caso de uma segunda onda, não descartada por especialistas e pela Subsecretária de Vigilância em Saúde, Fabíola Braz em coletiva na última sexta, 24.

O secretário municipal destaca ainda que, caso seja comunicado oficialmente do “desmonte” do hospital de campanha em Nova Friburgo pelo Estado, pode analisar o pedido de doação dos equipamentos.

Entenda o caso

O estado contratou a Organização Social Iabas para instalar e gerir as unidades, mas atrasos e problemas de operação levaram a troca de dois secretários de Saúde — um deles, Edmar Santos, foi preso e virou réu — e ao rompimento com a OS.

A promessa do governo era inaugurar sete hospitais até o dia 30 de abril, mas só os do Maracanã e de São Gonçalo foram abertos, com atrasos e menos leitos do que o previsto.

O IABAS venceu o contrato para a construção dos hospitais de campanha do estado.

O contrato com a OS é o maior do governo, com valor de mais de R$ 835 milhões.

Desse total, a empresa recebeu R$ 256 milhões.

Foto: PMNF // Divulgação

Verifique também

Funcionários dos Correios ensaiam greve a partir desta terça (4)

A paralisação, segundo a classe, seria uma resposta à perda de direitos trabalhistas da categoria. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *